Pesquise no Webgeo.net e ache tudo sobre História e Geografia!

terça-feira, 23 de março de 2021

LOCALIZAÇÃO E ORIENTAÇÃO GEOGRÁFICA

 


Fonte do texto: https://mundoeducacao.uol.com.br/geografia/orientacao-localizacao.htm

Para chegar a um determinado lugar pela primeira vez é preciso ter referências ou o endereço, isso no campo ou na cidade, no entanto, nem sempre temos em nossas mãos instrumentos ou informações para a orientação. Em áreas naturais como as grandes florestas, desertos e oceanos não têm placas ou endereços para informar qual caminho se deve tomar.

Nessas circunstâncias temos duas opções para nos orientar, que são pelos astros ou por instrumentos.

O primeiro tem sua utilização difundida há muito tempo, principalmente no passado quando pessoas que percorriam grandes distâncias se orientavam por meio da observação do sol, da lua ou das estrelas, apesar de que não possui a mesma precisão dos instrumentos esse tipo de recurso pode ser bem aproveitado dependendo da ocasião.

Até nos dias atuais pequenas embarcações desprovidas de equipamentos de orientação fazem o uso dos astros para se localizar e orientar. Nos grandes centros urbanos parte deles ou mesmo um conjunto de bairros são chamados de zona oeste, zona leste e assim por diante, as pessoas se orientam sem estar munidas de bússola, basta saber que o sol nasce leste para se localizar.

Já no caso da orientação por instrumentos foram criados diversos deles com objetivo de tornar o processo mais dinâmico e preciso. Dentre vários instrumentos inventados o mais utilizado é a bússola, esse corresponde a um objeto composto por uma agulha com imã que gira sobre uma rosa-dos-ventos.


A bússola é instalada em aviões, navios e carros e motos de competição de rally, isso para manter as pessoas em sua devida direção pretendida.

Apesar da importância da bússola até os dias de hoje, existem aparelhos de orientação mais eficientes, geralmente orientados por sinais de radar ou satélites, devido a isso conseguem emitir informações de qualquer ponto da Terra, tais como altitude, distâncias, localização entre outras.

Todas as informações citadas acima referem-se a regiões um tanto quanto restritas. O planeta Terra possui uma superfície de 510 milhões de quilômetros quadrados, devido esse imenso espaço a localização se torna mais complexa, dessa forma o homem criou linhas imaginarias para facilitar a localização, os principais são os paralelos e latitudes e meridianos e as longitudes.

Os paralelos são linhas imaginarias que estão dispostas ao redor do planeta no sentido horizontal, ou seja, de leste a oeste. O paralelo principal é chamado de Linha do Equador que está situado na parte mais larga do planeta, a partir dessa linha tem origem ao hemisfério sul e o hemisfério norte. Existem outros paralelos secundários mais de grande importância como Trópico de Câncer, O Trópico de Capricórnio, o Circulo Polar Ártico e o Circulo Polar Antártico.



As latitudes são medidas em graus entre os paralelos, ou qualquer ponto do planeta até a Linha do Equador, as latitudes oscilam de 0º Linha do Equador e 90º ao norte e 90º ao sul.

Meridianos correspondem a semicircunferências imaginarias que parte de um pólo até atingir o outro. O principal meridiano é o Greenwich, esse é o único que possui um nome especifico, esse é utilizado como referência para estabelecer a divisão da Terra entre Ocidente (oeste) e Oriente (leste).

 

As longitudes representam o intervalo entre os meridianos ou qualquer ponto do planeta com o meridiano principal. As longitudes podem oscilar de 0º no meridiano de Greenwich até 180º a leste e a oeste.

Através do conhecimento da latitude e longitude de um lugar é possível identificar as coordenadas geográficas, que correspondem a sua localização precisa ao longo da superfície terrestre. A partir dessas informações a definição de coordenadas geográficas são medidas em graus, minutos e segundos de pontos da Terra localizadas pela latitude e longitude.

A rosa-dos-ventos utilizada para orientação.

Os fluxos populacionais na globalização

 

Os fluxos populacionais entre países são denominados de migrações internacionais, essas podem ocorrer por atração ou por repulsão, a primeira geralmente acontece quando as pessoas vivem em países nos quais não há boas condições de vida e de trabalho, são atraídas rumo a países desenvolvidos, como Estados Unidos, países da Europa desenvolvida e Japão, a segunda são migrações onde o indivíduo deixa seu país devido a problemas políticos, perseguições, guerras, entre outros.

A maioria das migrações internacionais ocorre pela busca de trabalho, as principais correntes migratórias emergem de Latino-Americanos, Africanos e Asiáticos em direção aos EUA, Europa e Japão. Os trabalhadores migrantes enviam dinheiro para sua terra natal, algumas estimativas revelam que eles movimentam anualmente cerca de 58 bilhões de dólares, o Brasil, por exemplo, recebe anualmente cerca de 2,8 bilhões de dólares enviados por brasileiros que vivem no exterior.

Os brasileiros por vários motivos saem do país, o movimento de saída do país é chamado de emigração, o de entrada de estrangeiro é denominado de imigração. O que levam os brasileiros a sair do país rumo a outro, são as sucessivas crises econômicas, hoje existem cerca de 2 milhões de brasileiros vivendo no exterior de forma clandestina.

Outra modalidade de migração internacional é a de fluxo de refugiados, indivíduos que sofrem perseguições de ordem política, religiosa ou étnica. Na década de 1970, havia cerca de 2,5 milhões de refugiados, hoje esse número chega aos 25 milhões, decorrentes de acontecimentos geopolíticos como: o fim do socialismo, a diminuição de ajudas financeiras e humanitárias e principalmente pela expansão do fundamentalismo Islâmico.

São considerados migrantes refugiados cerca de 25 milhões de pessoas, que foram obrigados a deixar seus lares devido a problemas ambientais, como desmatamento, desertificação, erosão dos solos e desastres químicos e nucleares.

As origens dos refugiados são as mais variadas, mas geralmente possuem algumas características, como origem de países subdesenvolvidos, no qual a renda per capita média está abaixo de 500 dólares e há alto índice de analfabetismo, governos ditatoriais que violam os direitos humanos de determinada parcela da população, na forma de perseguições políticas e torturas, extermínio étnico e discriminações religiosas e culturais.

Por fim, existe um fluxo, agora sem agravante, que é o turístico, que são motivados pela busca de lazer, cultura e religião, esse processo motiva a comercialização de viagens em grande escala a custos mais reduzidos (pacotes de viagens), mas esse tipo de fluxo é privilégio de uma restrita parcela da população mundial.

Os principais países que atraem turistas são Alemanha, Japão e EUA, o volume do faturamento decorrente a atividade é de aproximadamente 4,5 trilhões de dólares, gerando cerca de 200 milhões de empregos em todo o mundo.

O deslocamento de pessoas no mundo
O deslocamento de pessoas no mundo

POPULAÇÃO MUNDIAL- DINÂMICA E CARACTERÍSTICAS

 


Fonte: 
https://www.infoescola.com/geografia/dinamica-populacional/#:~:text=Entende%2Dse%20por%20din%C3%A2mica%20populacional,o%20planeta%20como%20um%20todo.

Entende-se por dinâmica populacional o estudo da variação na quantidade dos indivíduos de determinada população. Já o conceito população pode ser definido como o conjunto de pessoas que residem em determinado território, que pode estar constituído em uma cidade, um estado, um país ou mesmo o planeta como um todo. Tal população pode ser classificada ainda segundo sua religião, nacionalidade, local de moradia (urbana e rural), atividade econômica (ativa ou inativa), e os seus respectivos comportamentos são objeto dos denominados "indicadores sociais", estatística destinada a traduzir em uma grandeza quantitativa um conceito social abstrato e informar algo sobre certo aspecto da realidade social, como por exemplo taxas de natalidade, mortalidade, expectativa de vida, índices de analfabetismo, entre outras variáveis.

É fundamental ao se analisar dinâmica populacional que não se confunda população com nação, conceito que é definido como o conjunto de pessoas que repartem a mesma história, estando, por isso, inseridas em um mesmo panorama cultural. De acordo com essa orientação, a população de um país pode estar dividida em várias nações, ao mesmo tempo em que uma nação pode estar dividida entre dois ou mais países.

No passado, a dinâmica populacional foi muito associada às ideias de explosão populacional, recebendo grande atenção os trabalhos de Thomas Maltus relacionados à problemática, que procuravam alertar sobre o crescimento desordenado da população e a inevitável escassez de alimentos e recursos que tal crescimento traria. Com o advento da Revolução Industrial, e o florescimento da tecnologia, especialmente nas áreas de produção, conservação e transporte de alimentos, os estudos de Malthus caíram por terra. Hoje, a discussão está em um ponto diametralmente oposto, o da "implosão populacional", pois em vários pontos do planeta assistimos a quedas de taxas de fecundidade, especialmente na Europa ocidental e Japão.

No Brasil, podemos afirmar que há uma melhora geral na qualidade de vida da população, contribuindo para seu constante aumento, resultante das melhorias médico-sanitárias decorrentes do pós-guerra e também dos movimentos migratórios ocorridos nos anos 60 e 70 da população rural em direção às cidades, melhor equipadas para atender a população em geral se comparado às áreas mais isoladas e rurais. Ao mesmo tempo em que a qualidade de vida melhora, há uma diminuição na taxa de fecundidade dos brasileiros, muito devido à participação efetiva da mulher no mercado de trabalho. Talvez não seja o único fator, mas é certamente o mais importante para explicar uma considerável mudança na pirâmide etária nacional, onde se reduz consideravelmente o número de jovens, aumentando por outro lado o número de idosos, o que acarretará um problema em relação à previdência brasileira, com menos jovens a custear o serviço do qual uma população cada vez maior de idosos deseja usufruir.

 

Ocupação e formação do território brasileiro

 


Fonte: 
https://brasilescola.uol.com.br/historiab/povoamento-brasileiro.htm#:~:text=Povoamento%20Brasileiro-,Hist%C3%B3ria%20do%20Brasil,novas%20%C3%A1reas%20a%20serem%20exploradas.

A ocupação do território brasileiro se iniciou com pequenos arraiais espalhados em diversas localidades. Tais ocupações aconteceram devido à necessidade européia de ampliar suas atividades comerciais, o que fez com que procurassem novos produtos e novas áreas a serem exploradas.

O povoamento brasileiro, no século XVI, se limitou em territórios litorâneos próximos ao oceano Atlântico onde desenvolveram inúmeras lavouras de cana-de-açúcar no Recôncavo Baiano e no Nordeste, o que resultou na transferência da pecuária, que antes se desenvolvia na Zona da Mata nordestina, para o sertão nordestino. Neste período começa o extermínio indígena que foi tanto físico (genocídio) quanto cultural (etnocídio).

No século XVII, aconteceram as primeiras expedições denominadas bandeiras, que povoou em grande escala o território brasileiro, principalmente nas extremidades do Rio Amazonas, do Rio São Francisco e do sertão nordestino. Os portugueses, em maior número que os nativos, dominaram a região e começaram a capturar os nativos para juntos buscarem ouro e pedras preciosas. Em 1616, fundaram Belém do Pará.

No século XVIII, houve um grande aumento na população do território, fato que foi causado pela descoberta de ouro e pedras preciosas em regiões hoje denominadas Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Bahia. Esta população se alojou em povoamentos dispersos no interior do território, mas estes logo foram se esvaziando. Na medida em que as preciosidades foram se esgotando, o povo foi se dispersando.

O povoamento ocorrido no interior do território teve intenção de explorar e extrair riquezas de lá, mas este também trouxe alguns benefícios, como a abertura de estradas que dava acesso a regiões litorâneas e o fortalecimento das ligações entre os criadores de gado.


No século XIX, houve a grande expansão territorial onde os territórios ao sul tornaram-se inteiramente povoados. As procuras por algodão e café se intensificaram, mas a prosperidade originada pelo algodão se finda juntamente com a guerra de independência norte-americana e em contrapartida a do café se intensifica com sua valorização na Europa. O cultivo do café incentivou o trabalho assalariado e a acumulação de capitais, o que impulsionou o desenvolvimento industrial. Este período ainda marca o início da mecanização com a instalação das ferrovias, dos telégrafos e das companhias de navegação.

No início do século XX, ocorreram movimentos de desbravamento e povoamento de novas localidades dentro do território, o que ficou conhecido com as frentes pioneiras se iniciando em São Paulo. Este processo foi baseado na economia que girava em torno do café onde este necessitava de mais lugares para sua lavoura. O aumento das exportações, o esgotamento dos solos e a facilidade de empréstimos bancários foram as causas deste grande movimento que se iniciou no Vale do Paraíba, passou por Campinas, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e terminou no Paraná. Este desbravamento é conhecido como a Marcha do Café.

Outros motivos importantes para o pioneirismo foi a expansão ferroviária, a colonização por imigrantes no Sul do território, a Marcha para o Oeste (que foi um movimento de ocupação do Centro-Oeste) e o aproveitamento agrícola das áreas do cerrado para o cultivo da soja e para a criação de gado.

segunda-feira, 22 de março de 2021

Região para a Geografia

Fonte do texto: 
https://brasilescola.uol.com.br/geografia/categorias-geografia.htm#:~:text=Regi%C3%A3o%3A%20%C3%A9%20uma%20%C3%A1rea%20ou,%C3%A1rea%20ou%20um%20aspecto%20dela.

A Geografia, assim como várias outras ciências, utiliza-se de categorias para basear os seus estudos. Trata-se da elaboração e utilização de conceitos básicos que orientem o recorte e a análise de um determinado fenômeno a ser estudado. Por exemplo, um estudo geográfico sobre determinadas disputas geopolíticas pode ser realizado tendo como base o conceito de território, que seria uma categoria a ser utilizada como uma forma de se enxergar o estudo.

Atualmente, além do espaço geográfico – principal objeto de análise da Geografia –, existem quatro principais conceitos que se consolidaram como categorias geográficas: território, região, paisagem e lugar. A seguir, uma breve conceituação:

Região: é uma área ou espaço que foi dividido obedecendo a um critério específico. Trata-se de uma elaboração racional humana para melhor compreender uma determinada área ou um aspecto dela. Assim, as regiões podem ser criadas para realizar estudos sobre as características gerais de um território (as regiões brasileiras, por exemplo) ou para entender determinados aspectos do espaço (as regiões geoeconômicas do Brasil para entender a economia brasileira). Eu posso criar minha própria região para a divisão de uma área a partir de suas práticas culturais ou por suas diferentes paisagens naturais, entre outros critérios.


 



As categorias da Geografia - Território

Fonte:https://brasilescola.uol.com.br/geografia/definicao-territorio.htm#:~:text=A%20categoria%20territ%C3%B3rio%2C%20juntamente%20com,focos%20de%20estudo%20da%20Geografia.&text=Para%20Friedrich%20Ratzel%2C%20o%20territ%C3%B3rio,de%20uma%20comunidade%20ou%20Estado.

A ciência geográfica apresenta, de acordo com as diferentes correntes do pensamento, conceitos que são elementares para a compreensão dessa disciplina. A categoria território, juntamente com a paisagem, lugar, região e espaço, é um dos principais focos de estudo da Geografia.

Nesse sentido, o território é considerado pela maioria das correntes do pensamento geográfico, um conceito-chave da Geografia. Contudo, sua análise não é exclusiva da Geografia, sendo, portanto, abordado por outras ciências, o que o torna um termo polissêmico.

Na análise do território, os aspectos geológicos, geomorfológicos, hidrográficos e recursos naturais, por exemplo, ficam em segundo plano, visto que sua abordagem privilegia as relações de poder estabelecidas no espaço.

A concepção mais comum de território (na ciência geográfica) é a de uma divisão administrativa. Através de relações de poder, são criadas fronteiras entre países, regiões, estados, municípios, bairros e até mesmo áreas de influência de um determinado grupo. Para Friedrich Ratzel, o território representa uma porção do espaço terrestre identificada pela posse, sendo uma área de domínio de uma comunidade ou Estado.

Nesse sentido, o conceito de território abrange mais que o Estado-Nação. Qualquer espaço definido e delimitado por e a partir de relações de poder se caracteriza como território. Uma abordagem geopolítica, por exemplo, permite afirmar que um consulado ou uma embaixada em diferentes países, seja considerado como parte de um território de outra nação.

Portanto, o território não se restringe somente às fronteiras entre diferentes países, sendo caracterizado pela ideia de posse, domínio e poder, correspondendo ao espaço geográfico socializado, apropriado para os seus habitantes, independentemente da extensão territorial.





 



Idade Contemporânea

 Fonte: https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/historia/o-que-e-idade-contemporanea.htm#:~:text=Idade%20Contempor%C3%A2nea%20%C3%A9%20uma%20divis%C3%A3o,1789%2C%20at%C3%A9%20os%20dias%20atuais.


Idade Contemporânea é uma divisão cronológica da História, compreendendo o período entre o início da Revolução Francesa, com a queda da Bastilha em 14 julho de 1789, até os dias atuais. A Idade Contemporânea representa principalmente o período de consolidação do capitalismo como o modo de produção e sua expansão por todo o globo terrestre entre os séculos XVIII e XXI.

Essa é mais uma das divisões cronológicas da História baseadas nos acontecimentos ocorridos em solo europeu. Nesse sentido, podemos até perguntar: Por que a Revolução Francesa é mais importante que a Independência dos EUA, já que muitos traços eram comuns a ambos os acontecimentos?

O principal motivo é mesmo o fato de terem sido os historiadores europeus a realizarem a divisão cronológica do que eles consideravam a História da Humanidade. Porém, a Revolução Francesa representou transformações profundas na sociedade europeia da época e teve consequências em outros continentes, como a influência nos processos de independência das colônias da América espanhola, portuguesa e francesa.

Com os ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade, a burguesia francesa e outros setores populares da sociedade conseguiram derrubar o poder político da aristocracia proprietária de terras, que havia consolidado seu poder durante a Idade Média. A conquista do poder político era a coroação de um fortalecimento econômico da burguesia que havia sido iniciado a partir de finais da Idade Média, com novas formas de produção nas cidades e no campo, além da abertura comercial no Mediterrâneo e das novas rotas marítimas no Atlântico e Pacífico.

O regime político burguês, baseado na separação dos poderes entre o Executivo, o Legislativo e o Judiciário, expandiu-se a partir da França durante a Idade Contemporânea, alcançando quase todos os locais do planeta. A ação de Napoleão Bonaparte foi importante para essa expansão, como foi também para mostrar a força de reação que detinha ainda a aristocracia, que conseguiu deter seu poderio.

Mas o desenvolvimento do capitalismo não foi detido pela aristocracia. Os séculos XIX e XX foram o período áureo do capitalismo com os imensos avanços tecnológicos. Imensas cidades foram construídas, a população cresceu exponencialmente, distâncias foram encurtadas, a ponto de o ser humano poder chegar ao espaço sideral e a pisar na lua.

Por outro lado, apesar de todas as riquezas e avanços, a Idade Contemporânea foi marcada pela manutenção da miséria de grande parte da população, mesmo com a criação de imensas riquezas. Essa contradição gerou ainda uma série de movimentos de contestação do capitalismo liberal. As principais consequências foram as lutas sociais das classes sociais exploradas, notadamente os trabalhadores assalariados, contra a exploração capitalista.

Exemplo marcante de tentativa de superação da exploração foram as revoluções, sendo a mais conhecida a Revolução Russa de 1917. Entretanto, os desenvolvimentos subsequentes da revolução representaram a reprodução da exploração, mesmo que sob o manto ideológico do socialismo. Essa forma de organização social, de propriedade estatal e domínio político e social nas mãos de um Partido Comunista, foi implantada em metade do território mundial.

O século XX foi então marcado por essa divisão entre um capitalismo de base privada e uma organização social controlada pelo Estado. Houve ainda outros regimes que marcaram a Idade Contemporânea, principalmente os chamados totalitários, representados pelo fascismo e pelo nazismo.

Outra característica nefasta da Idade Contemporânea foram as guerras. Inúmeras delas ocorreram. As maiores e mais mortíferas foram as chamadas guerras mundiais, a Primeira Guerra Mundial, que ocorreu entre 1914 e 1918, e a Segunda Guerra Mundial, entre 1939 e 1945, resultando na morte de mais de uma centena de milhões de pessoas. A ciência utilizada para fins militares resultou ainda na criação da mais letal das armas já criadas, a bomba nuclear.

Porém, a ciência possibilitou melhorias nas condições de higiene e na saúde da população, proporcionando o aumento da expectativa de vida na maior parte dos locais do planeta. A apresentação sucinta das principais características da Idade Contemporânea mostra os inúmeros aspectos contraditórios de nossa sociedade.

Idade Moderna

 Fonte: https://www.historiadomundo.com.br/idade-moderna

Conceito de Idade Moderna

Já sabemos que a Idade Moderna é um período da história que se estendeu de 1453 a 1789, segundo a periodização tradicional. Os marcos utilizados para o início e o fim desse período são:

  • Conquista de Constantinopla pelos otomanos, em 1453;
  • Tomada de Bastilha, evento que inaugurou a Revolução Francesa, em 1789.

Os marcos são apenas pontos aproximativos que indicam viragens importantes na sociedade europeia. Esse, inclusive, é um ponto importante quando estudamos a periodização: ela leva em consideração apenas acontecimentos que impactaram diretamente a Europa, portanto, é bastante eurocêntrica e focada em um ponto de vista ocidental.

Como já vimos, a ideia de uma “idade moderna” foi resultado do pensamento renascentista, que procurava diferenciar-se do pensamento medieval. Um dos registros mais antigos que determinam o início cronológico desse período moderno foi encontrado em uma enciclopédia escrita por um alemão do século XVII chamado Christopher Keller.

Em 1688, Christopher Keller publicou seu livro História universal, e nele ele definiu a Idade Média como um período que se estendeu do reinado de Constantino até a tomada de Constantinopla pelos otomanos, em 1453|2|. Isso dava a ideia, portanto, de que um novo período iniciou-se após o ano citado.

Essa separação cronológica pensada entre Idade Média e Idade Moderna não significa que os dois períodos são absolutamente distintos um do outro, uma vez que existem historiadores que apontam semelhanças entre eles. Jacques Le Goff, por exemplo, fala de uma “longa Idade Média” e defende a ideia de que traços significativos do período medieval permaneceram até o século XIX|3|.

Por isso os historiadores defendem a ideia de que a História não é marcada somente por rupturas, mas também por permanências. Assim, quando falamos de periodização, devemos sempre ter atenção para não a tratar de modo absoluto e engessado. Assim, o ano de 1453 marcou o início da Idade Moderna, mas a Europa não mudou de imediato, uma vez que as mudanças em curso eram lentas.

Características da Idade Moderna

No final da Idade Moderna, o surgimento da indústria permitiu o estabelecimento do capitalismo.
No final da Idade Moderna, o surgimento da indústria permitiu o estabelecimento do capitalismo.

A Idade Moderna foi um período em que, política e economicamente, mudanças significativas começaram a acontecer. No campo da política, o estabelecimento dos Estados nacionais, que se iniciou na Baixa Idade Média, contribuiu para mudanças significativas na forma como o poder era exercido.

Aquele poder descentralizado da Idade Média, que fazia o rei depender da fidelidade de seus nobres por meio de um acordo de vassalagem e suserania, perdeu espaço, e o poder centralizado do rei estabeleceu-se no lugar. As monarquias absolutistas foram a forma de governo encontrada para que os Estados pudessem lidar com a complexidade da burocracia moderna.

A burocracia governamental, a manutenção de um exército etc., tudo passou para as mãos de um rei poderoso que detinha o poder absoluto em seu Estado. Nesse período também se estabeleceu uma ideologia que procurava justificar, inclusive religiosamente, o poder do rei. Foi nesse contexto que autores como Maquiavel ficaram muito conhecidos.

Já na economia, a prática econômica desse período ficou conhecida como mercantilismomomento de transição do modo de produção feudal para o modo de produção capitalista. Entre as práticas econômicas do mercantilismo, estão a defesa de uma balança comercial favorável, a acumulação de metais preciosos, o incentivo à manufatura etc.

As práticas do mercantilismo permitiram a acumulação de um capital que foi utilizado no investimento da industrialização na Inglaterra, pioneira da Revolução Industrial. O desenvolvimento da indústria na segunda metade do século XVIII possibilitou o estabelecimento do capitalismo no mundo.

Eventos importantes da Idade Moderna

A Idade Moderna estendeu-se por mais de 300 anos, e, obviamente, um período extenso como esse viu eventos marcantes e o surgimento de ideologias importantes para a humanidade. Vejamos alguns desses eventos:

domingo, 21 de março de 2021

Primeiros Povos da América



























Fonte do texto: https://www.todamateria.com.br/primeiros-povos-da-america/

Os primeiros povos da América se referem àqueles que viviam na América antes da chegada do europeu.

Também são chamados de pré-colombianos, pois são situados no período anterior ao desembarque de Cristóvão Colombo, em 1492.

Exemplos de povos pré-colombianos são os incas, astecas, maias, guaranis, tupinambás, tupis, apaches, shawees, navajos, inuítes e muitos outros.

Estreito de Bering

O continente americano já era ocupado por diversos povos há cerca de 10 mil anos, como demonstram evidências arqueológicas.

A teoria mais aceita entre os cientistas é a de que a povoação do continente americano ocorreu pela travessia do Estreito de Bering. Perseguindo os animais, os caçadores acabaram atravessar o estreito e se estabelecerem ali.

mapa

Entretanto, há provas que apontam a existência de seres humanos nessa parte do globo, mesmo antes das incursões pelo Estreito de Bering por rotas alternativas ou pela navegação.

Embora tenham sido influenciados pela colonização europeia, há povos que ainda hoje mantêm suas tradições de seus antepassados e as transmitem para as novas gerações.

Características dos primeiros povos da América

Os primeiros povos da América eram nômades, caçadores e coletores. Segundo os estudos arqueológicos, suas características físicas têm traços semelhantes aos dos povos da África, Austrália e de povos mongóis.

Essa teoria é apoiada por pesquisas genéticas, que apontam um paralelo entre o DNA dos índios americanos e dos povos citados.

Esses povos caçavam como mastodontes, preguiça-gigante, tigre dente de sabre e o tatu gigante.

O extrativismo, contudo, não era a única maneira de subsistência dos povos. Há 7 mil anos, as nações americanas já dominavam a agricultura e plantavam abóbora, batata, milho, feijão e mandioca. Da mesma forma domesticaram pequenos animais.

O continente americano estava inteiramente povoado na época da chegada de Cristóvão Colombo. Além de coletores, divididos em vários povos e espalhados por todo o continente, havia civilizações organizadas em imponentes impérios, como é o caso dos Maias, dos Astecas e dos Incas.

Essas civilizações não eram melhores nem piores que os europeus em muitos aspectos, mas tinham ritos e sacrifícios extremamente chocantes para os europeus.

Do mesmo modo, havia costumes da Europa que pareciam estranhos aos nativos. O problema foi a força desproporcional que foi usada pelos europeus ao invadir a América, fazendo desaparecer povos inteiros.








sexta-feira, 19 de março de 2021

Capitanias Hereditárias

 As Capitanias Hereditárias foram um sistema administrativo implementado pela Coroa Portuguesa no Brasil em 1534.

O território do Brasil, pertencente a Portugal, foi dividido em faixas de terras e concedidas aos nobres de confiança do rei D. João III (1502-1557). Essas poderiam ser passadas de pai pra filho e por isso, foram chamadas de hereditárias.

Os principais objetivos eram povoar a colônia e dividir a administração colonial. As Capitanias Hereditárias, porém, tiveram vida curta e foram abolidas dezesseis anos após sua criação.

Resumo sobre as Capitanias Hereditárias

Após a descoberta das terras a leste do Tratado de Tordesilhas, em 1500, por Pedro Álvares Cabral, o foco da Coroa portuguesa na sua colônia da América Portuguesa era a extração dos recursos da terra, como o pau-brasil.

Isso se devia ao fato de não terem sido encontrados metais preciosos como foi o caso dos espanhóis nas suas possessões.

O sistema de capitanias hereditárias foi implantado a partir da expedição de Martim Afonso de Sousa, em 1530. Os portugueses tiveram receio de perderem suas terras conquistadas para outros europeus que já estavam negociando com os indígenas e buscavam se fixar ali.

Para tanto, a Coroa Portuguesa imediatamente adotou medidas para povoar a colônia, evitando, dessa maneira, possíveis ataques e invasões.

O sistema de capitanias havia sido implementado pelos portugueses na Ilha da Madeira, nos Arquipélagos dos Açores e de Cabo Verde.

Assim, ficou estabelecido a criação de 15 capitanias e seus 12 donatários, uma vez que uns receberam mais que uma porção de terra e as Capitanias do Maranhão e São Vicente foram divididas em duas porções.

Introdução a Revolução Russa

 


Fonte: https://www.todamateria.com.br/revolucao-russa/


Revolução Russa de 1917 foram dois levantes populares: o primeiro ocorrido em fevereiro, contra o governo do czar Nicolau II, e o segundo, em outubro.

Na Revolução de Fevereiro, os revolucionários aboliram a monarquia e, na Revolução de Outubro, começaram a implantar um regime de governo baseado em ideias socialistas.

Causas da Revolução Russa: contexto histórico

Na Rússia, durante o século XIX, a falta de liberdade era quase absoluta.

No campo, reinava uma forte tensão social, devido à grande concentração de terras na mão da nobreza. A Rússia foi o último país a abolir a servidão, em 1861 e em muitos lugares, continuava-se com o sistema de produção feudal.

A reforma agrária promovida pelo czar Alexandre II (1855-1881), pouco adiantou para aliviar as tensões no campo. O regime czarista reprimia a oposição e a Ochrana, polícia política, controlava o ensino, a imprensa e os tribunais.

Milhares de pessoas eram enviadas ao exílio na Sibéria condenadas por crimes políticos. Capitalistas e latifundiários mantinham o domínio sobre os trabalhadores urbanos e rurais.

No governo do czar Nicolau II (1894-1917), a Rússia acelerou seu processo de industrialização aliada ao capital estrangeiro. Os operários concentraram-se em grandes centros como Moscou e São Petersburgo.

Apesar disso, as condições de vida pioraram, com a fome, o desemprego e a diminuição dos salários. A burguesia também não era beneficiada, pois o capital estava concentrado nas mãos dos banqueiros e dos grandes empresários.

A oposição ao governo crescia. Um dos maiores partidos de oposição era o Partido Social Democrata, mas seus líderes, Plekhanov e Lenin, tinham que viver fora da Rússia para fugir das perseguições políticas.

O Partido Operário Social-Democrata Russo era crítico com a política do país. Porém, as divergiam de como solucionar os problemas da Rússia. Isto acabou por dividi-lo em duas correntes:

  • Bolcheviques (maioria, em russo), liderados por Lenin, defendiam a ideia revolucionária da luta armada para chegar ao poder.
  • Mencheviques (minoria, em russo), liderados por Plekhanov, defendiam a ideia evolucionista de se conquistar o poder através de vias normais e pacíficas como, por exemplo, as eleições.