Postagens em destaque!

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Os períodos da História - Visão tradicional

Construído através de um compilado dos seguintes artigos:

Sabe-se que a tradição em segmentar a história em grandes períodos é uma tradição antiga, e a partir da mesma surge a necessidade de se compreender as relações existentes na produção do espaço e tempo, aproximando assim acontecimentos e fatos, agrupando a história em pequenas gavetas, sobre esta tradicional e muito útil divisão tem-se:


Pré-História

Todo o período que existiu antes da invenção da escrita é denominado Pré-história. Assim, a Pré-história corresponderia a um período da humanidade que abrange milhões de anos.

Nesse momento, o homem aprendeu a viver em comunidade, a utilizar o fogo, a domesticar animais e a produzir alimento, dando a origem à agricultura.
Na pré-história, o homem criou a linguagem como meio de comunicação e inventou a escrita. Além disso, criou a pintura, a cerâmica e as primeiras organizações sociais e políticas.


A Pré-história está dividida em três períodos:

Paleolítico: também chamado de "Idade da Pedra Lascada", tem início há aproximadamente 4,4 milhões de anos e se estende até 8000 a.C.Neolítico: também chamado de "Idade da Pedra Polida", esse período vai de aproximadamente 8000 a.C. a 5000 a.C. Idade dos Metais: período que se estende de 5000 a.C. até o surgimento da escrita pelos sumérios, em 4000 a.C..

Tudo o que sabemos sobre a Pré-história devemos aos fósseis e objetos encontrados nas escavações paleontológicas, que ocorreram principalmente a partir do final do século XIX, estendendo-se até os dias atuais, frequentemente apresentando novas descobertas.

Idade Antiga

Idade Antiga ou Antiguidade é o período da história que é contado a partir do desenvolvimento da escrita, pelos sumérios, mais ou menos 4000 anos a.C., até a queda do Império Romano do Ocidente, em 476 da era cristã.
Dentre os fatos históricos desse período da história se destacam:

Antiguidade Oriental, que compreende a civilização egípcia, a civilização mesopotâmica, as civilizações hebraica, fenícia e persa
Grécia Antiga, das origens ao período arcaico
Roma Antiga e o Império Romano, até a sua queda, em 476


Idade Média

A Idade Média é o período da história que tem início em 476 e vai até a tomada de Constantinopla, pelos turcos otomanos, em 1453. Nesse período da história se destacam:

     Alta Idade Média
     Feudalismo
     Baixa Idade Média
     Cultura Medieval
     Formação das Monarquias Nacionais

Idade Moderna

A Idade Moderna é o período da história que tem início em 1453 e vai até o ano de 1789, data da Revolução Francesa. Dentro desse período da história se destacam:

    Expansão Marítima Europeia
    Revolução Comercial e o Mercantilismo
    Colonialismo Europeu na América
    Périplo Africano
    Renascimento Cultural
    Reforma Protestante e Contrarreforma
    Absolutismo
    Iluminismo
        


Idade Contemporânea

A Idade Contemporânea é estudada de 1789, época da Revolução Francesa, até os dias atuais. Dentro desse período, vários acontecimentos políticos, econômicos e sociais, receberam influência da Revolução Francesa, como: Independência do Brasil e  a Segunda Revolução Industrial

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Os movimentos da Terra

Os movimentos terrestres são essenciais para a manutenção da vida humana, com isso, deixo abaixo a listagem de suas principais características e incidências, para além disso, um compilado significativo de informações referentes a cada um deles:

rotação é o movimento que a Terra realiza em torno de si mesma, circulando ao redor do seu eixo imaginário central durante um período aproximado de 24 horas, com uma velocidade de 1.666 km/h. A rotação ocorre no sentido anti-horário, ou seja, de oeste para leste, o que faz com que o movimento aparente do sol seja de leste (nascente) para oeste (poente). A principal consequência desse movimento é a sucessão dos dias e das noites.

translação é o movimento elíptico que a Terra executa ao redor do sol, com uma duração de 365 dias, 5 horas e 48 minutos em uma velocidade de 107.000 km/h. Quando a Terra termina uma volta completa em relação ao sol, dizemos que se passou um ano. A principal consequência desse movimento é a origem das estações do ano, que ocorrem pelo fato de o eixo do planeta apresentar uma inclinação de 23º27', ocasionando a sucessão dos solstícios e dos equinócios.
O movimento de translação também é chamado de revolução.

Além desses dois movimentos principais, a Terra possui outros três importantes movimentos que não possuem uma influência muito notória sobre a humanidade, mas que são importantes por originarem outros movimentos. Essas variações são a precessão, a nutação e o deslocamento do periélio.
precessão – ou precessão dos equinócios – é o movimento giratório realizado pela projeção de eixo de rotação terrestre no sentido horário, com uma duração cíclica de 25.770 anos. A principal consequência é a antecipação dos equinócios e a mudança da posição aparente dos astros celestes no céu.
nutação é uma pequena variação periódica no eixo rotacional terrestre que ocorre a cada 18,6 anos em função da influência da gravidade da Lua sobre a Terra. Não há consequências relevantes.
deslocamento do periélio é a variação da órbita terrestre ao redor do sol. Como sabemos, o periélio é o ponto da órbita em que o planeta encontra-se mais próximo ao corpo solar. Assim, essa diferença varia ao longo do tempo em função da influência da órbita de outros planetas, com uma repetição cíclica de 21 mil anos.
Referências confiáveis sobre o tema:
Um vídeo simples sobre solstícios e equinócios.

Slides exibidos em sala de aula!
























terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

As transformações geográficas advindas das Guerras mundiais

As Guerras Mundiais foram eventos capazes de estremecer a estrutura da organização do espaço mundial, sendo a primeira delas, ocorrida entre o período de 1914 e 1918, com pelo menos 10 milhões de mortes e outros 30 milhões diretamente afetados. A Segunda Guerra Mundial não foi diferente, trouxe consigo o sentimento de revanche, e um reflexo de lideranças nacionalistas, com a ascensão do Fascismo e do Nazismo, doutrinas cujo objetivo central norteava-se na construção de regimes totalitários e capazes de expandir seus territórios e riquezas, controlando e anexando o maior número de países tidos como inimigos.

Sobre este tema, deixo abaixo alguns vídeos e indicações, é bastante relevante compreendermos que a Geografia foi fortemente influenciada pelas Guerras, sendo uma ciência fundamental para o desenvolvimento do viés estratégico dos conflitos já citado!

Há, além disso, a indicação de alguns filmes fabulosos sobre o tema, sendo que a Segunda Guerra Mundial foi amplamente registrada pela sétima arte, fato comprovado pelas inúmeras obras de qualidade produzidas pelo menos 50 anos após o cessar fogo do conflito.

Lista de links de indicações de filmes (incluindo o porquê vê-los):

Alguns vídeos sobre temas relacionados a Primeira Guerra Mundial e Segunda Guerra Mundial:


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Crescimento populacional - Nível mundial

Olá, pessoal!

Deixo abaixo os slides utilizados em sala de aula referente a esta temática, bem como o vídeo exibido na nosso última aula! Interessante lembrar que a população mundial deverá atingir seu ápice por volta de 2050.
















terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

O mercantilismo, a doutrina econômica do século XVIII

Um tema que aparece constantemente em vestibulares e no próprio ENEM está ligado à doutrina econômica que predominou na Europa no século XVIII, embasada na expansão de negócios por meio do metalismo, balança comercial favorável, protecionismo estatal, pirataria e aumento do poderio naval.

Sobre a definição do termo:

Este termo se refere à política econômica dos reinos europeus absolutistas. O mercantilismo tem três características centrais: intervenção do Estado, metalismo e colonialismo. Os principais nomes desta política são: Jean-Baptiste Colbert (1619 - 83), ministro das Finanças do rei Luís XIV (1638 - 1715), Thomas Mun (1571 - 1641), diretor da Companhia das Índias Orientais, e Antonio Serra (c. 1550 – c. 1600), economista e filósofo italiano.

Como surgiu e foi constituído:

O surgimento do mercantilismo, enquanto conjunto de práticas econômicas está diretamente ligado ao fim do feudalismo e à formação dos Estados Nacionais Modernos. Por Estado Nacional Moderno, entende-se o conjunto de nações surgidas durante o processo de centralização do poder na figura do rei.

Além do exposto, outras contribuições são relevantes sobre o tema, referentes às suas características principais:

·  Controle estatal da economia – os reis com o apoio da burguesia mercantil foram assumindo o controle da economia nacional, visando fortalecer ainda mais o poder central e obter os recursos necessários para expandir o comércio. Dessa forma o controle estatal da economia tornou-se a base do mercantilismo;
·   Balança comercial favorável – consistia na ideia de que a riqueza de uma nação estava associada a sua capacidade de exportar mais do que importar. Para que as exportações superassem sempre as importações (superávit), era necessário que o Estado se ocupasse com o aumento da produção e com a busca de mercados externos para a venda dos seus produtos;
·  Monopólio – controladores da economia, os governos interessados numa rápida acumulação de capital, estabeleceram monopólio sobre as atividades mercantis e manufatureiras, tanto na metrópole como nas colônias. Donos do monopólio, o Estado o transferia para a burguesia metropolitana por pagamento em dinheiro. A burguesia favorecida pela concessão exclusiva comprava pelo preço mais baixo o que os colonos produziam e vendiam pelo preço mais alto tudo o que os colonos necessitavam. Dessa forma, a economia colonial funcionava como um complemento da economia da metrópole;
·   Protecionismo – era realizado através de barreiras alfandegárias, com o aumento das tarifas, que elevava os preços dos produtos importados, e também através da proibição de se exportar matérias-primas que favorecessem o crescimento industrial do país concorrente;
·   Ideal metalista – os mercantilistas defendiam a ideia de que a riqueza de um país era medida pela quantidade de ouro e prata que possuíssem. Na prática essa ideia provou não ser verdadeira.



Principais objetivos de sua política:

A política econômica mercantilista estava voltada para três objetivos principais: o desenvolvimento da indústria, o crescimento do comércio e a expansão do poderio naval. Para incentivar o desenvolvimento da Indústria, o governo concedia a grupos particulares o monopólio de determinados ramos da produção ou criava as manufaturas do Estado. A meta era a obtenção da autossuficiência econômica e a produção de excedentes exportáveis. 

O crescimento do comércio era Incentivado através da criação de grandes companhias comerciais, como a Companhia das Índias Ocidentais e a Companhia das índias Orientais e da organização de vastos Impérios coloniais. O comércio entre metrópole e colônia era regulado pelo pacto colonial, baseado num sistema de monopólio comerciei também chamado de exclusivo metropolitano. A metrópole adquiria da colônia produtos tropicais e exportava para estes artigos manufaturados, obtendo, naturalmente, sempre uma balança de comércio favorável. 

A expansão do poderio naval era essencial para garantir as comunicações marítimas entre as metrópoles europeias e seus Impérios coloniais assim como para a redução do comércio em escala mundial. No século XV, Portugal exerceu a supremacia naval; no século XVI esta passou à Espanha; no século seguinte, à Holanda; e finalmente no século XVIII a Inglaterra tornou-se a “rainha dos mares”.



Fonte de pesquisa:
https://www.todamateria.com.br/mercantilismo/
https://www.infoescola.com/economia/mercantilismo/
https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/historia/o-que-e-mercantilismo.htm
http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=746