Pesquise no Webgeo.net e ache tudo sobre História e Geografia!

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

O desastre de Chernobyl

Link da postagem original: https://www.nationalgeographicbrasil.com/2019/06/o-que-aconteceu-desastre-chernobyl-uniao-sovietica-ucrania-energia-nuclear

Em 25 e 26 de abril de 1986, o reator de uma usina nuclear explodiu e pegou fogo na região que atualmente é o norte da Ucrânia desencadeando o pior acidente nuclear da história. Envolto em mistério, o desastre foi um divisor de águas tanto na Guerra Fria quanto na história da energia nuclear. Mais de 30 anos depois, cientistas estimam que a área ao redor da antiga usina continuará inabitável por até 20 mil anos.

O desastre ocorreu próximo à cidade de Chernobyl, na antiga União Soviética, que investiu intensamente em energia nuclear após a Segunda Guerra Mundial. A partir de 1977, os cientistas soviéticos instalaram quatro reatores nucleares RBMK (reatores canalizados de alta potência) na usina de energia, localizada logo ao sul da atual fronteira entre a Ucrânia e a Bielorrússia.
Em 25 de abril de 1986, uma manutenção de rotina estava agendada para acontecer no quarto reator da Central Nuclear de V.I. Lenin. Os engenheiros planejavam aproveitar a ocasião para testar se o reator ainda poderia ser resfriado casose a usina ficasse sem energia. Durante o teste, entretanto, os operadores infringiram protocolos de segurança e o reator ficou sobrecarregado. Apesar das tentativas para desligar totalmente o reator, outra sobrecarga provocou uma reação em cadeia de explosões em seu interior. Por fim, o núcleo do reator ficou exposto, lançando material radiativo para a atmosfera.
Após esforços infrutíferos dos bombeiros para apagar as inúmeras chamas na usina, helicópteros despejaram areia e outros materiais em uma tentativa de abafar o fogo e conter a contaminação. Apesar da morte de duas pessoas nas explosões, da internação hospitalar de operários e bombeiros e do perigo da deposição de partículas radiativas e do incêndio, ninguém nas imediações (inclusive na cidade vizinha de Pripyat, construída na década de 1970 para servir de moradia para os operários da usina) foi evacuado nas primeiras 36 horas após o início do desastre.
A divulgação de um acidente nuclear era considerada um risco político expressivo, mas, a essa altura, era tarde demais: a fusão do núcleo do reator já tinha espalhado radiação até a Suécia, onde oficiais de outra usina nuclear começaram a questionar o que estava acontecendo na União Soviética. Depois de inicialmente negar ter havido qualquer acidente, os soviéticos finalmente fizeram um breve anúncio em 28 de abril.


Logo o mundo percebeu que estava diante de um evento histórico. Até 30% das 190 toneladas métricas de urânio de Chernobyl foram emitidas na atmosfera e a União Soviética acabou evacuando 335 mil pessoas, definindo uma a “zona de exclusão” com um raio aproximado de 30 km do reator.
Ao menos 28 pessoas morreram de imediato em decorrência do acidente e mais de 100 ficaram feridas. O Comitê Científico das Nações Unidas sobre os Efeitos da Radiação Atômica informou que mais de 6 mil crianças e adolescentes desenvolveram câncer de tireoide após a exposição à radiação do acidente, embora alguns especialistas tenham refutado essa alegação.
Pesquisadores internacionais previram que, no fim, aproximadamente 4 mil pessoas expostas a elevados níveis de radiação poderiam desenvolver câncer como resultado da radiação, ao passo que aproximadamente 5 mil pessoas expostas a baixos níveis de radiação poderiam ter destino semelhante. Ainda assim, as consequências totais do acidente, incluindo seus impactos sobre a saúde mental e até sobre gerações futuras, ainda são muito discutidas e estão sendo estudadas.
O que resta do reator agora está encerrado em uma enorme estrutura de contenção de aço implantada no fim de 2016. As tentativas de contenção e monitoramento persistem e espera-se que as operações de descontaminação perdurem até pelo menos 2065.

Impactos a longo prazo

O impacto do desastre na floresta e fauna silvestre adjacentes também permanece sendo um campo de intensas pesquisas. Imediatamente após o acidente, uma área aproximada de dez quilômetros quadrados ficou conhecida como a “Floresta Vermelha” porque muitas árvores ficaram marrom-avermelhadas e morreram após absorver os altos níveis de radiação.
Hoje, a zona de exclusão é assustadoramente silenciosa, embora cheia de vida. Embora muitas árvores tenham crescido de volta, os cientistas encontraram evidência de elevados níveis de cataratas e albinismo e baixas taxas de bactérias benéficas entre as espécies de animais silvestres na região nos últimos anos. Ainda assim, devido à exclusão da atividade do homem ao redor da usina de energia fechada,  aumentaram as populações de alguns animais silvestres, como linces e alces. Em 2015, os cientistas estimaram que havia sete vezes mais lobos na zona de exclusão que em reservas comparáveis vizinhas, graças à ausência do homem.

O desastre de Chernobyl teve outra repercussão: seu preço econômico e político apressou o fim da União Soviética e estimulou o movimento global contra o uso da energia nuclear. Estima-se que o desastre tenha custado cerca de US$ 235 bilhões em danos. A atual Bielorrússia, que teve 23% do território contaminado pelo acidente, perdeu cerca de um quinto de sua terra cultivável. No auge das operações de resposta ao desastre, em 1991, a Bielorrússia gastou 22% de seu orçamento total com Chernobyl.
Hoje, Chernobyl atrai turistas intrigados com sua história e seus riscos. Mas, embora Chernobyl seja o possível símbolo do fim da energia nuclear, a Rússia nunca abandonou seu legado – ou sua tecnologia. Em 2019, ainda existem 11 reatores RBMK em operação na Rússia.




domingo, 27 de outubro de 2019

O Renascimento - Características gerais

Textos de apoio:
https://brasilescola.uol.com.br/historiag/renascimento.htm
https://www.todamateria.com.br/renascimento-caracteristicas-e-contexto-historico/
https://www.infoescola.com/movimentos-culturais/renascimento/
https://www.educamaisbrasil.com.br/



Características do Renascimento
razão, de acordo com o pensamento da Renascença, era uma manifestação do espírito humano que colocava o indivíduo mais próximo de Deus. Ao exercer sua capacidade de questionar o mundo, o homem simplesmente dava vazão a um dom concedido por Deus (neoplatonismo). Outro aspecto fundamental das obras renascentistas era o privilégio dado às ações humanas, ou humanismo. Tal característica representava-se na reprodução de situações do cotidiano e na rigorosa reprodução dos traços e formas humanas (naturalismo). Esse aspecto humanista inspirava-se em outro ponto-chave do Renascimento: o elogio às concepções artísticas da Antiguidade Clássica ou Classicismo.

Relação com a burguesia e o individualismo
Essa valorização das ações humanas abriu um diálogo com a burguesia, que floresceu desde a Baixa Idade Média. Suas ações pelo mundo, a circulação por diferentes espaços e seu ímpeto individualista ganharam atenção dos homens que viveram todo esse processo de transformação privilegiado pelo Renascimento. Ainda é interessante ressaltar que muitos burgueses, ao entusiasmarem-se com as temáticas do Renascimento, financiavam muitos artistas e cientistas surgidos entre os séculos XIV e XVI. Além disso, podemos ainda destacar a busca por prazeres (hedonismo) como outro aspecto fundamental que colocava o individualismo da modernidade em voga.

As cidades italianas e o mecenato
A aproximação do Renascimento com a burguesia foi claramente percebida no interior das grandes cidades comerciais italianas do período. GênovaVenezaMilãoFlorença e Roma eram grandes centros de comércio, onde a intensa circulação de riquezas e ideias promoveu a ascensão de uma notória classe artística italiana. Até mesmo algumas famílias comerciantes da época, como os Médici e os Sforza, realizaram o mecenato, ou seja, o patrocínio às obras e estudos renascentistas. A profissionalização desses renascentistas foi responsável por um conjunto extenso de obras que acabou dividindo o movimento em três períodos: o Trecento, o Quatrocento e Cinquecento. Cada período abrangia respectivamente uma parte do período que vai do século XIV ao XVI.

Períodos do Renascimento
Durante o Trecento, podemos destacar o legado literário de Petrarca (“De África” e “Odes a Laura”) e Dante Alighieri (“Divina Comédia”), bem como as pinturas de Giotto di Bondoni (“O beijo de Judas”, “Juízo Final”, “A lamentação” e “Lamento ante Cristo Morto”). Já no Quatrocento, com representantes dentro e fora da Itália, o Renascimento contou com a obra artística do italiano Leonardo da Vinci (Mona Lisa) e as críticas ácidas do escritor holandês Erasmo de Roterdã (Elogio à Loucura).

Leonardo da Vinci foi um dos maiores expoentes do Renascimento
Leonardo da Vinci foi um dos maiores expoentes do Renascimento
Na fase final do Renascimento, o Cinquecento ganhou grandes proporções, dominando várias regiões do continente europeu. Em Portugal, podemos destacar a literatura de Gil Vicente (Auto da Barca do Inferno) e Luís de Camões (Os Lusíadas). Na Alemanha, os quadros de Albrercht Dürer (“Adão e Eva” e “Melancolia”) e Hans Holbein (“Cristo morto” e “A virgem do burgomestre Meyer”). A literatura francesa teve como seu grande representante François Rabelais (“Gargântua e Pantagruel”). No campo científico, devemos destacar o rebuliço da teoria heliocêntrica defendida pelos estudiosos Nicolau CopérnicoGalileu Galilei e Giordano Bruno. Tal concepção abalou o monopólio dos saberes, até então controlados pela Igreja.

Impacto do Renascimento
Ao abrir o mundo à intervenção do homem, o Renascimento sugeriu uma mudança da posição a ser ocupada pelo homem no mundo. Ao longo dos séculos posteriores ao Renascimento, os valores por ele empreendidos vigoraram ainda por diversos campos da arte, da cultura e da ciência. Graças a essa preocupação em revelar o mundo, o Renascimento suscitou valores e questões que se fizeram presentes em outros movimentos concebidos ao longo da história ocidental.
A cultura renascentista teve quatro características marcantes, a saber:
  • Racionalismo - os renascentistas estavam convictos de que a razão era o único caminho para se chegar ao conhecimento, e que tudo podia ser explicado pela razão e pela ciência.
  • Experimentalismo - para eles, todo conhecimento deveria ser demonstrado através da experiência científica.
  • Individualismo - nasceu da necessidade do homem conhecer a si próprio, buscando afirmar a sua própria personalidade, mostrar seus talentos, atingir a fama e satisfazer suas ambições, através da concepção de que o direito individual estava acima do direito coletivo.
  • Antropocentrismo - colocando o homem como a suprema criação de Deus e como centro do universo.

O Humanismo Renascentista

humanismo foi um movimento de glorificação do homem e da natureza humana, que surgiu na Itália em meados do século XIV.
O homem, a obra mais perfeita do Criador, era capaz de compreender, modificar e até dominar a natureza. O pensamento humanista provocou uma reforma no ensino das universidades, com a introdução de disciplinas como poesia, história e filosofia.
Os humanistas buscavam interpretar o cristianismo, utilizando escritos de autores da Antiguidade, como Platão.
O estudo dos textos antigos despertou o gosto pela pesquisa histórica e pelo conhecimento das línguas clássicas como o latim e o grego.
A partir do século XIV, ao mesmo tempo que os renascentistas se dedicavam ao estudo das línguas clássicas, diferentes dialetos davam origem às línguas nacionais.
Gestado nessa época, o humanismo se tornou referência para muitos pensadores nos séculos seguintes, inclusive para os filósofos iluministas do século XVIII.

Renascimento Literário

O Renascimento deu origem a grandes gênios da literatura, entre eles:
  • Dante Alighieri: escritor italiano autor do grande poema "Divina Comédia".
  • Maquiavel: autor de "O Príncipe", obra precursora da ciência política onde o autor dá conselhos aos governadores da época.
  • Shakespeare: considerado um dos maiores dramaturgos de todos os tempos. Abordou em sua obra os conflitos humanos nas mais diversas dimensões: pessoais, sociais, políticas. Escreveu comédias e tragédias, como "Romeu e Julieta", "Macbeth", "A Megera Domada", "Otelo" e várias outras.
  • Miguel de Cervantes: autor espanhol da obra "Dom Quixote", uma crítica contundente da cavalaria medieval.
  • Luís de Camões: teve destaque na literatura renascentista em Portugal, sendo autor do grande poema épico "Os Lusíadas".











quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Fontes e de energia e a produção de energia pelo mundo

As fontes de energia são recursos naturais ou artificiais utilizados pela sociedade para produção de algum tipo de energia. A energia, por sua vez, é utilizada para propiciar o deslocamento de veículos, gerar calor ou produzir eletricidade para os mais diversos fins.
As fontes de energia também possuem relação com questões ambientais, pois, dependendo das formas de utilização dos recursos energéticos, graves impactos sobre a natureza podem ser ocasionados.
Conforme a capacidade natural de reposição de recursos, as fontes de energia podem ser classificadas em renováveis não renováveis.

Fontes renováveis de energia

As fontes renováveis de energia, como o próprio nome indica, são aquelas que possuem a capacidade de serem repostas naturalmente, o que não significa que todas elas sejam inesgotáveis. Algumas delas, como o vento e a luz solar, são permanentes, mas outras, como a água, podem acabar, dependendo da forma como são usadas pelo ser humano. Vale lembrar que nem toda fonte renovável de energia é limpa, ou seja, está livre da emissão de poluentes ou de impactos ambientais em larga escala.
Fontes não renováveis de energia
As fontes não renováveis de energia são aquelas que poderão esgotar-se em um futuro relativamente próximo. Alguns recursos energéticos, como o petróleo, possuem seu esgotamento estimado para algumas poucas décadas, o que eleva o caráter estratégico desses elementos.