Postagens em destaque!

terça-feira, 18 de junho de 2019

Os tipos de blocos econômicos!

Os blocos econômicos compreendem a formação de mercados regionais entres países a fim de dinamizar e integrar a economia de seus membros, através da livre circulação de mercadorias ou da redução dos impostos cobrados em importações. A tendência para a criação e difusão de blocos econômicos em todo o mundo aconteceu após o término da Guerra Fria, mas a sua prática começou a ocorrer após o final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).
Inicialmente, os blocos econômicos eram tratados como um contraponto, uma oposição à globalização. Imaginava-se que a sua formação iria potencializar as dinâmicas comerciais em nível regional e enfraquecê-las globalmente. No entanto, hoje se sabe que os blocos econômicos são, na verdade, um dos principais elementos que propiciaram a instrumentalização de uma economia em nível global.
Isso porque, além de integrar regionalmente os países, a formação dos acordos econômicos potencializa o comércio com o mercado externo, através de tarifas comuns e estratégias de mercado, visando atenuar os efeitos da concorrência e dinamizar as trocas comerciais.
O primeiro acordo internacional entre países a se constituir no mundo foi o Benelux, que seria a semente para a formação posterior da União Europeia. O Benelux consistia na união comercial com a redução de tarifas aduaneiras entre Bélgica, Holanda e Luxemburgo.
Quer saber mais? 























quinta-feira, 13 de junho de 2019

Características gerais do continente americano!

A América é um continente localizado no ocidente, fixado entre os oceanos Pacífico e Atlântico. Esse continente ocupa uma área de 42 189 120 km², onde vivem cerca de 902 milhões de habitantes.
Esse continente é chamado também de Américas (plural), nele existem trinta e cinco países e mais dezoito territórios.

A América é subdividida em América do Norte, América Central e América do Sul. Ao longo do continente americano existem cadeias de montanhas como as Rochosas na América do Norte; a Sierra Madre Ocidental, na América Central; e a Cordilheira dos Andes, na América do Sul. Há também grandes planícies, como as que ocorrem nas bacias hidrográficas do Mississipi (EUA) e do Amazonas (Brasil). O ponto mais elevado de todo continente fica na Argentina, o Aconcágua, com 6 959 metros de altitude.

A população americana é constituída por vários tipos de povos, dos quais podemos citar: índios, europeus (espanhóis, ingleses, irlandeses, italianos, portugueses, franceses, alemães e holandeses), negros africanos, asiáticos, mestiços e mulatos.

Grande parte da população desse continente vive na América Latina - conjunto de países de línguas derivadas do latim. Os países que falam línguas que não são oriundas do latim, como o inglês, são considerados da América Anglo-Saxônica. Em suma, é uma forma de regionalizar a América a partir da característica linguística.






















quinta-feira, 6 de junho de 2019

Os movimentos tectônicos!

Os movimentos tectônicos são fundamentais para compreendermos o funcionamento da dinâmica interna de nosso planeta, sendo assim, nesta postagem deixo algumas informações compiladas e devidamente revisadas!

Curte e compreenda de maneira concisa como cada um destes movimentos se caracterizam, bem como seus locais de maior incidência!



De acordo com a Teoria da Tectônica de Placas, a crosta terrestre – a camada superficial sólida da Terra composta por rochas e minerais – não é contínua, mas sim “quebrada” ou fragmentada em várias partes ou “pedaços”. Essas partes são conhecidas como placas tectônicas e movimentam-se em razão da força interna exercida pelo magma presente no manto terrestre.
Para entender a movimentação das placas tectônicas, é preciso descobrir, primeiramente, porque isso acontece. O principal fator responsável, como já dissemos, é o magma, que não se movimenta aleatoriamente, mas se organiza em ciclos, os quais chamamos de células de convecção. A partir daí, o magma vai então conduzindo a movimentação dessas placas, fazendo com que o relevo seja alterado das mais diversas formas.
O principal e mais conhecido efeito das placas tectônicas sobre a superfície é a ocorrência dos terremotos. Eles manifestam-se, quase sempre, nas áreas de contato e acontecem em razão da reacomodação súbita de alguns pontos nessas áreas. Além disso, as zonas de encontro entre duas placas são locais altamente instáveis geologicamente e onde também surgem os vulcões e as cadeias montanhosas. Observe o esquema a seguir:
É possível observar que a placa oceânica, mais pesada, afunda após o choque, fenômeno que chamamos de subducção, e a placa mais leve ascende e, parte dela, “enruga”, formando as montanhas, em um processo denominado por obducção. Nas áreas de subducção, comumente se formam os pontos mais profundos da Terra, como as fossas oceânicas, enquanto nas áreas de obducção formam-se os pontos de maior altitude do planeta.



Portanto, as regiões do planeta que se localizam nos pontos de encontro entre placas tectônicas costumam sofrer com mais frequência e intensidade a ação dos terremotos, além de registrarem a presença de vulcões e montanhas com elevada altitude. Já nos países posicionados no interior de uma placa, como é o caso do Brasil – que está situado na Placa Sul-americana –, costumam sofrer menos esse tipo de problema e apresentam um relevo geologicamente antigo.
A Cordilheira dos Andes, por exemplo, encontra-se na zona de encontro entre as placas Sul-Americana e de Nazca, havendo também muitas ocorrências de vulcões e terremotos em todo a faixa oeste da América do Sul. Já a Cordilheira do Himalaia, onde está o ponto mais alto da Terra, o Everest, encontra-se na área de encontro entre as placas Indo-Australiana e Euro-Asiática.









Tipos de movimentos das placas tectônicas
Há três principais tipos de movimentos das placas tectônicas, considerando a direção do deslocamento de uma placa em relação à outra: o convergente, o divergente e o subsidente ou transformante.
Movimento convergente: As placas com movimento convergente são aquelas que se chocam diretamente entre si, indo uma contra a outra. É esse o caso do exemplo no esquema anterior, onde se formam as maiores cadeias de montanha.
Movimento divergente: Ocorre quando as placas afastam-se uma da outra. Esse afastamento pode provocar a emergência do magma que se solidifica e forma algumas ilhas vulcânicas em áreas oceânicas.
Movimento transformante: É quando as placas se deslocam unilateralmente, havendo, ainda sim, o atrito entre elas, com a ocorrência de terremotos e a formação de alguns falhamentos, a exemplo da Falha de San Andreas, no oeste dos Estados Unidos.
Quer saber mais? Use a seguinte referência: