Postagens em destaque!

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Os mistérios do vulcanismo!

Um tema de relevância para o segmento de Geografia Física, trata-se de eventos extremos que colaboraram de maneira eminente para a construção do planeta Terra como o conhecemos! Diante do exposto, seguem algumas informações relevantes, sobre o funcionamentos dos vulcões, sua respectiva classificação e maiores erupções já registradas! 

Bom estudos! lembrando que há material disponibilizado no menu "Slides de Geografia", 1º ano - 1º Trimestre!

Referências:
https://www.portalsaofrancisco.com.br/geografia/vulcoes

Vulcanismo:

Vulcanismo é um fenômeno geológico que ocorre do interior da Terra para a superfície, quando há o extravasamento do magma em forma de lava, além de gases e fumaça. O termo vulcanismo é utilizado para designar uma série de fenômenos e elementos vulcânicos. A ciência que tem como objetivo estudar o fenômeno e também o comportamento dos vulcões é a vulcanologia, sendo que o profissional que a executa é chamado de vulcanólogo.
O processo de vulcanismo é resultado das características de pressão e temperatura contidas no subsolo. Além disso, os vulcões se estabelecem, em geral, em regiões que limitam placas tectônicas, salvo o vulcanismo ligado ao ponto quente, neste caso esse processo pode ocorrer no interior de uma placa.
Os vulcões são importantes elementos de modelagem do relevo, uma vez que a solidificação da lava por eles emitida dá origem a rochas ígneas ou magmáticas extrusivas, também chamadas de rochas vulcânicas. O exemplo mais conhecido é o basalto. Essas rochas, posteriormente, poderão dar origem aos solos, transformarem-se em rochas metamórficas ou se converterem em sedimentos que, mais tarde, poderão formar as rochas sedimentares.
Entre os mais famosos estão: 
O Monte Etna na Sicília, o Monte Vesúvio na Itália, o Monte Merapi na Indonésia, Sakurajima no Japão, Mauna Loa no Havaí, o Monte Rainier em Washington, EUA, e o Monte Erebus na Antártida.A atividade vulcânica é como as ilhas do mundo se formaram. Medido a partir do fundo do oceano, Mauna Loa no Havaí é na verdade uma montanha mais alta que o Monte. Everest no Nepal.Medido a partir do fundo do oceano, Mauna Loa, no Havaí é realmente uma montanha mais alta que o Monte Everest no Nepal.

Tipos de vulcões:
Vulcões de escudo, que são largos e em forma de escudo, criados pela lenta erupção e pelo longo fluxo de lavas viscosas;
Cúpulas de lava, formadas por lava viscosa que não flui muito longe;
Cones de cinzas, que são pequenos (30 a 400 metros), colinas em forma de cone que ocorrem nos flancos de vulcões maiores;
Estratovulcões, os cônicas altos, como o Monte. Fuji no Japão e Vesúvio na Itália;
Supervulcões, estruturas massivas que explodem muito raramente;
Vulcões submarinos, localizados no fundo do oceano; e
Vulcões subglaciais, localizados abaixo das geleiras continentais.



quinta-feira, 9 de maio de 2019

Estrutura Interna da Terra! O que há no interior do nosso planeta?

Como vimos em sala de aula, a estrutura interna da Terra possui duas vertentes de entendimento, o modelo químico (mais difundida) e o modelo físico, o primeiro refere-se à sua composição, o segundo primordialmente a rigidez e as propriedades físicas, sabendo disso temos as seguintes características delineadas:  

A estrutura interna da Terra é representada em modelos que se baseiam em dois critérios diferentes: a composição química e as propriedades físicas.
No modelo da estrutura interna da Terra segundo a sua composição química, são consideradas três unidades estruturais concêntricas - crosta, manto e núcleo - separadas por superfícies de descontinuidade.

Ø  crosta, ou crusta, constitui a zona mais superficial do globo terrestre e pode ser dividida em crosta continental e em crosta oceânica. Encontra-se separada do manto pela descontinuidade de Mohorovicic.
Ø  manto situa-se desde a base da crosta até a profundidade de 2900 km e pode ser dividido em manto superior e em manto inferior. Encontra-se separado do núcleo pela descontinuidade de Gutenberg.
Ø  núcleo situa-se a partir dos 2900 km e pode ser dividido em núcleo externo e em núcleo interno.

No modelo da estrutura interna da Terra segundo as suas propriedades físicas, o globo terrestre é constituído por quatro regiões - litosfera, astenosfera, mesosfera e endosfera.

Ø  A litosfera, uma zona sólida e rígida, compreende a crosta e a parte mais externa do manto superior.
Ø  A astenosfera, uma zona de baixa rigidez e de comportamento plástico, situa-se desde a base da litosfera até à profundidade de 350 km.
Ø  A mesosfera, uma zona rígida, estende-se desde a base da astenosfera até à fronteira do manto com o núcleo.

Ø  A endosfera pode ser dividida em duas regiões: a endosfera externa, líquida, e a endosfera interna, sólida.


Quer saber mais? Teste seus conhecimentos nos exercícios a seguir!












quinta-feira, 25 de abril de 2019

Extinção dos dinossauros!

Os dinossauros dominaram o planeta Terra por pelo menos 160 milhões de anos, contudo um fragmento rochoso desviou a trajetória e a permanência deste animais gigantescos. Abaixo deixo um compilado bastante completo de informações sobre o tema, com informações devidamente referenciadas! 

Além disso, deixo um vídeo com informações claras e objetivas sobre o tema, um material inclusive desenvolvido pelo professor Lucas Cechinel e pelo intérprete Jorge Strauss.

Referências: 

Entre 208 e 144 milhões de anos atrás, os dinossauros habitaram a superfície terrestre e se tornaram um grupo dominante nos ambientes de terra firme. Muitos desses animais eram herbívoros, mas havia algumas espécies carnívoras que se alimentavam de anfíbios, insetos e até mesmo de outros dinossauros.
No final do período Cretáceo ocorreu a extinção dos dinossauros e de diversas outras espécies de animais e plantas. Existem muitas teorias sobre essa extinção em massa de organismos vivos, e uma delas é a de que certos movimentos sofridos pelos continentes provocaram mudanças nas correntes marítimas e também no clima do planeta. Isso fez a temperatura baixar, o que causou invernos mais rigorosos, consequentemente levando ao desaparecimento dos seres vivos que habitavam a Terra.
Outra teoria sobre a extinção dos dinossauros, e a que é mais aceita pela comunidade científica, é a de que um asteroide com aproximadamente 10 km de diâmetro tenha atingido a superfície da Terra, gerando uma explosão semelhante a 100 trilhões de toneladas de TNT.
Em 1990 essa teoria foi reforçada depois que um grupo de cientistas encontrou, no México, uma cratera com aproximadamente 180 km de diâmetro. Estudos geológicos realizados no local sugerem que essa colisão teria ocorrido há 65 milhões de anos, coincidindo com a época da extinção dos dinossauros. Outro fator muito importante e que dá grande apoio a essa teoria é a descoberta de uma grande concentração de irídio (mineral raro na Terra, mas muito encontrado em meteoritos) em rochas do período Cretáceo.
Muitos estudos realizados sugerem que a extinção dos organismos vivos que habitavam a superfície terrestre não ocorreu pelo impacto do asteroide com a Terra e sim por consequência dos efeitos que esse impacto causou. Uma das consequências foi o incêndio de grandes áreas de floresta, que destruiu habitats, exterminando a base das cadeias alimentares, além de ter provocado uma grande poluição do ar.
A fuligem e a poeira originadas do impacto do asteroide com a Terra cobriram todo o céu, impedindo que a luz solar chegasse à superfície, deixando a Terra fria e escura. Isso fez com que plantas fotossintetizantes morressem, fazendo com que cadeias alimentares inteiras entrassem em colapso, mesmo nas áreas que não foram atingidas pelos incêndios.
Outras possibilidades:
Alguns cientistas acreditam que a extinção dos grandes répteis não aconteceu com a queda do meteoro, mas sim por mudanças gradativas do clima que sucedia naquele período. Outros afirmam que o causador do fim dos dinossauros não teria sido apenas um meteoro, mas a queda de inúmeros deles. Apesar de haver várias explicações, hipóteses e teorias, não é possível afirmar com precisão o que realmente provocou a extinção desses enormes animais da Terra. 
Sugestão de documentário

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Conceito de escala cartográfica - Trabalho prático!

O conceito de escala é essencial para o desenvolvimento da alfabetização cartográfica, e os alunos do 1º ano do Ensino Médio inovador do Colegião executaram uma atividade prática com o tema, buscando entender a escala de diferentes mapas (Mundi, Brasil e Santa Catarina).

Após aulas sobre o tema, os alunos se reuniram em equipes e buscaram entender o funcionamento estabelecendo a distância real de locais previamente escolhidos pelo professor! Além dos cálculos, a missão foi achar grandes cidades espalhadas por todos os continentes.

Além do 1º anos, participaram também desta atividade as turmas de 2º ano, visando a preparação para a OBRAC - Olimpíada Brasileira de Cartografia, contando com 4 etapas.

Abaixo algumas fotos dos alunos em plena produção da atividade!










quinta-feira, 11 de abril de 2019

Construção de gráficos e funções do excel - Disciplina de Informática

Na disciplina de Informática, presente no currículo escolar do Ensino Médio Inovador os alunos são desafiados a resolver problemas e trabalhar de maneira coletiva. 

A proposta desta semana foi a construção de gráficos e funções matemáticas no calc., presente no pacote open office, utilizado no sistema operacional Linux Educacional. Os aluno foram agrupados em duplas e trios, e a partir de uma situação utilizaram a construção de tabelas para comparar dados e após isso edificar operações matemáticas, e assim, construir gráficos de diferentes tipos (Pizza, coluna, barras).

A atividade foi um sucesso, com algumas imagens representando um pouco desta aventura neste aplicativo extremamente útil para os campos financeiros, educacionais e afins.



quarta-feira, 10 de abril de 2019

ENEM - 2019! Hoje termina o prazo para pedido de isenção!

O ENEM de 2019 está dado largos passos para a realização das provas, com isso fique ligado no cronograma oficial e não perca nenhum prazo!

Hoje é o prazo final para a solicitação da isenção de pagamento para o exame, lembrando que o custo está em R$85,00. Estudantes de escola pública podem solicitar, principalmente os que estão frequentando o último ano do Ensino Médio!

Acesse o link a seguir e obtenha mais informações! Capriche nos estudos e rumo a universidade em 2020!




Projeções cartográficas

Esta postagem visa esclarecer algumas informações sobre as mais utilizadas projeções cartográficas, lembrando que todas elas possuem características importantes e são utilizadas para fins diversificados. além do compilado de informações retirados de alguns sites confiáveis e devidamente referenciados, deixo abaixo alguns slides, também disponíveis para download aqui no WebGeo.

Sites utilizados como referências para este artigo/postagem:

As projeções cartográficas permitem representar a superfície esférica da Terra em um plano, ou seja, no mapa; elas são a base para a confecção de um mapa, constituindo uma rede sistemática de paralelos e meridianos, permitindo que esses sejam desenhados. 

As representações da superfície terrestre em mapas apresentam algumas distorções. As diferentes projeções cartográficas foram desenvolvidas com o intuito de minimizar as distorções ocorridas durante a produção de um mapa e, principalmente, fazer com que essas distorções sejam conhecidas. Mas nenhuma delas é capaz de evitar a totalidade das deformações. 

A seguir são apresentados os três principais tipos de projeção.

Cilíndricas

Consistem na projeção dos paralelos e meridianos sobre um cilindro envolvente, que é posteriormente desenvolvido (planificado). Uma das projeções cilíndricas mais utilizadas é a de Mercator, com uma visão do planeta centrada na Europa.

Cônicas

É a projeção do globo terrestre sobre um cone, que posteriormente é planificado. São mais usadas para representar as latitudes médias, pois apenas as áreas próximas ao Equador aparecem retas.

Azimutais

É a projeção da superfície terrestre sobre um plano a partir de um determinado ponto (ponto de vista). Também chamadas planas ou zenitais, essas projeções deformam áreas distantes desse ponto de vista central. São bastante usadas para representar as áreas polares.


Um bom vídeo sobre o tema!


Slides utilizados em sala de aula:




















terça-feira, 26 de março de 2019

Os ciclos econômicos do Brasil!

O Brasil possui, ao longo de sua história, diferentes ciclos econômicos como edificadores da formação da identidade nacional, econômicas e social. Diante deste tema tão importante, deixo o artigo a seguir, composto por informações retiradas de sites plenamente confiáveis, com texto totalmente verificado!

Deixo também uma apresentação de slides bastante interessante e concisa sobre o tema, sempre abordado em concursos, e no próprio ENEM, pois todos os cilos influenciaram diretamente na dinâmica territorial do Brasil!

Referências para esta postagem: 

Ciclo do Pau-Brasil

Período: entre 1500 e 1530
Principais características:
- Os portugueses cortavam a árvore pau-brasil para comercializar a madeira na Europa. Esta atividade ocorria na região da Mata Atlântica, principalmente na costa Sudeste, Sul e Nordeste do Brasil. Houve utilização de mão de obra indígena, através do escambo (troca do trabalho indígena por produtos de pouco valor).

Ciclo do Açúcar

Período: segunda metade do século XVI até o final do século XVII.

Principais características:
- Instalação de engenhos de açúcar na região Nordeste do Brasil. Os senhores de engenho plantavam a cana-de-açúcar para produzir e exportar o açúcar para a Europa. Foi utilizada a mão de obra escrava africana nos engenhos.

Ciclo do Ouro

Período: século XVIII

Principais características:
- O eixo econômico mudou do Nordeste para o Sudeste, logo após o início da exploração das minas de ouro, principalmente, em Minas Gerais. Os donos das minas utilizaram a mão de obra escrava africana para os trabalhos pesados. Muitos donos de minhas enriqueceram nesse período e a Coroa Portuguesa arrecadou grandes cifras em impostos sobre o ouro encontrado.

Ciclo do Algodão

Período: do século XVIII até o começo do XIX.

Principais características:
- Produção de algodão em estados como Pernambuco, Bahia, São Paulo e Ceará. A produção estava voltada para o mercado externo, principalmente Europa e Estados Unidos. Esta matéria-prima estava relacionada ao desenvolvimento industrial, principalmente da indústria fabril, nestes locais.

Ciclo da Borracha

- Período: final do século XIX e início do XX.

Principais características:
- A borracha foi produzida na região amazônica, pois o látex era extraído das seringueiras (em grande quantidade na região). A produção era voltada para os EUA e Europa, para abastecer a demanda de borracha da indústria de pneus de automóveis, além de outros produtos industrializados.

Ciclo do Café

Período: de 1870 até o início do século XX

Principais características:
- A cultura do café se desenvolveu, principalmente, na região do Oeste Paulista. As grandes fazendas de café utilizaram mão de obra escrava africana (até 1888) e mão de obra imigrante (principalmente italiana). Os “barões do café”, como ficaram conhecidos os grandes fazendeiros, enriqueceram muito com a exportação do produto para a Europa e Estados Unidos, principalmente. O acúmulo de capital neste período foi de grande importância para os investimentos em indústrias realizados nas primeiras décadas do século XX.